segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Turismo

A localização do Município às margens do Rio São Francisco é um fator muito importante para o desenvolvimento do turismo. A cidade tem duas orlas que valorizam a sua paisagem vista do Rio: uma a leste, com o complexo turístico construído em 2001 e outra a oeste com orla da Avenida Presidente Vargas (saída da cidade para Porto da Folha). As praias fluviais, formadas por areias douradas que se acumulam às margens do Rio, ou no seu leito, são propícias para o lazer e o esporte dos turistas, onde estes podem tomar banho nas águas límpidas, de tom esverdeado, e passear de barco ou canoa, pois o rio é navegável e o ancoramento das embarcações é feito com muita facilidade. As praias mais atrativas são as praias dos Povoados Lagoa Primeira, Oiteiro, Cabaceiro e Genipatuba.

O Santo Cruzeiro fica no ponto mais alto da cidade onde há mais de cem anos foi cravada uma cruz de madeira, símbolo da fé católica, considerada milagrosa pelos antepassados que assim iniciaram a mais antiga manifestação cultural da cidade: a festa do Santo Cruzeiro, realizada a cada dia 10 de maio com celebrações Eucarísticas. Em 1989 foi construída uma praça de 700 metros quadrados e uma capela na base do Cruzeiro, onde as pessoas “pagam promessas” depositando seus ex-votos.

Dentre as potencialidades turísticas ainda se destacam o Buraco de Maria Pereira, a Trilha do Diogo, Serra da Melancia, a Serra da Tabanga.

O Buraco de Maria Pereira consiste numa abertura feita pela natureza formando dois paredões de rochas coloridas. Segundo a história popular, aí morou D. Maria Pereira, sobre quem pouco se sabe até hoje. O percurso para se chegar lá é feito pelas águas do São Francisco. Durante a viagem pode-se apreciar uma belíssima paisagem formada por um relevo de ondulações cobertas por vegetais da caatinga, aparecendo morros com formações de rochas diversas, pequenas planícies e combros cobertos de gramíneas.

A Serra da Melancia apresenta uma altitude de 310 metros. No seu topo há uma capela onde é celebrada uma Missa na Sexta-feira da Paixão.

A Trilha do Diogo começa nas proximidades do Povoado João Pereira com uma descida de 500 metros, atravessando a caatinga íngreme até um morro que mede cerca de 100 metros de altura. Nesse morro existem pinturas rupestres gravadas nas rochas. Além das pinturas, também foram encontrados no subsolo das imediações ossos de animais que viveram na região há muitos anos. Esses se encontram na Universidade Federal de Sergipe em análise.

A Igreja Matriz, que tem o Senhor Bom Jesus dos Aflitos como padroeiro, situada na Praça Barão do Rio Branco, no centro da Cidade, é um dos pontos turísticos mais importantes do ponto de vista histórico. Não se sabe com precisão qual foi a data de sua construção, mas na sua fachada consta o ano 1910, data da construção da torre. No interior do templo pode-se observar as características do estilo Barroco. O coro tem piso e parapeito em madeira. O altar é muito ornamentado e abriga as imagens em madeira do Bom Jesus dos Aflitos, de Nossa Senhora da Conceição e de São José. Nas laterais há santuários com muitas imagens e na sacristia há uma antiga pia batismal.

Um comentário:

Kelber Souza disse...

Muito boa sua contribuição prof. Dijenal, é necessário alimentar a consciência cultural do povo gararuensse.